Archive for the ‘espetáculo ilustrado’ Category

Ao ar livre no Festival de Teatro de Curitiba 2017

21 de abril de 2017

Fotos:

 

Anúncios

MM Gerdau – Museu das Minas e do Metal, domingo, 3/7/2016

15 de julho de 2016

Orquestra de Câmara de Ouro Branco regida por Marcos Santos. Fotos.

O velho truque da falta de inspiração para escrever!

21 de abril de 2015

Brascubazz convida Senta a Pua! – Baile Instrumental – 5/3/2016
– 5º Crisô Rock Festival no Stonehenge Rock Bar: Mentol, Mantra e More Beer – 28/2/2016
À Rita tocando no fim de tarde da tiradentina Budega Bier – 30/1/2016
Moacyr Luz no Quintal do Divina Luz com Dé Lucas e o Samba na Batuta e Manu Dias – 9/1/2016
Trio Gandaiêra e DJ Rub’s no último forró do ano n’A Casa de Cultura – 28/12/2015
Affonsinho tocando blues n’A Casa de Cultura – 22/12/2015
Virada Cultural BH 2015: Gustavito & A Bicicleta e Graveola e o Lixo Polifônico na Rua Guaicurus – 13/9/2015
Virada Cultural BH 2015: Djalma Não Entende de Política e Madame Rrose Sélavy na Rua Sapucaí (Benfeitoria) – 13/9/2015
Virada Cultural BH 2015: Parque Municipal, Praça Sete, Viaduto Santa Tereza e Avenida Assis Chateaubriand – 13/9/2015
Assanhado Quarteto lança CD “Feira” – 30/8/2015
Forró de Saia faz 15 anos com convidados – 9/8/2015
André Limão Queiroz Trio no Café com Letras – 2/8/2015
Quinto do Choro no Festival SamBossa – 2/8/2015
Show André Limão Queiroz – 30 anos de carreira – 29/7/2015
Vi Jazz n’A Autêntica – Jorge Continentino e convidados – 21/7/2015
Quartabê no Savassi Festival – 11/7/2015
Pôr do Sol com a Juventude Bronzeada – 11/7/2015
– Sofar+ Secret Festival | BH – 5/7/2015 (fotos aqui, um vídeo ali, outro vídeo acolá)
– Show de lançamento do DVD de Celso Moreira no MHAB – 5/7/2015 (fotos aqui, vídeo ali)
Wry + Valv + Festa SubPop n’A Obra – 4/7/2015
GrandChester no Sofar+ Secret Festival Warm Up | BH – 4/7/2015
– Piolho de Cobra no show “Sobre Choros e Chorões” (participação Ausier Vinícius) – 19/4/2015 (fotos aqui, um vídeo ali, outro vídeo )
Black Machine no Gilboa – 18/4/2015
“Sexta Funky” n’A Casa de Cultura – Bantu Black – 17/4/2015
– Rafael Martini e Alexandre Andrés no projeto Caixa Acústica – 14/4/2015 (fotos aqui, um vídeo ali, outro vídeo )
– Warley Henrique recebendo Laura Lopes no projeto Sala de Recepção – 9/4/2015 (fotos aqui, vídeo ali)

Fotos, fotos, nada mais do que fotos

24 de abril de 2014

Show de divulgação do CD “Pra quem não me conhece” de Warley Henrique no Teatro de Câmara do Cine Theatro Brasil Valourec – 8/10/2014
DelegasCia com participações de Pedro “Trigo” Santana, Marina Machado, Affonsinho e Frederico Heliodoro – 25/9/2014
Show “Coladera” (João Pires, Vitor Santana e Marcos Suzano) na Casinha – 25/9/2014
CCCP Jazz Club recebendo Igor Neves – 16/9/2014
– Dia Instrumental – DJ Naroca, Dibigode, Iconili, Maurício Ribeiro e Hamilton de Holanda Sexteto – 7/9/2014
Laura Lopes – show “Abaporu” no Museu Histórico Abílio Barreto – 7/9/2014
Vanguart no Conexão BH – 6/7/2014
Jennifer Souza no Conexão BH – 6/7/2014
Festa Catapulta! do Iconili no NECUP – 4/7/2014
CCCP Jazz Club recebendo Chon e Magno Alexandre – 24/6/2014
Voz & Piano no Café com Letras com Mariana Nunes e Flávio Henrique – 24/6/2014
Projeto Caixa Acústica Apresenta Affonsinho e Mariana Nunes -22/4/2014
Grupo Galpão apresentando “Os Gigantes da Montanha” em Ponta Grossa/PR – 1/4/2014

Chega de papo e mostra umas fotos pra gente!

14 de outubro de 2013

Delegascia com Vander Lee, Fernando Bento e Fabiana Cozza – 20/2/2014
Magno Alexandre Trio no Jãngal – 20/2/2014
Sassá Mutema, Ensaio do Bloco da Calixto, Warley Henrique, Senta a Pua! e Chevette Hatch – 16/2/2014
Roda de Choro Warley Henrique e Convidados no A Gosto de Deus – 5/2/2014
Quatro na Roda lança CD “Irreversível” – 2/2/2014
Delegas Samba Clube 6ª Edição (com Dudu Nicácio e João Cavalcanti) – 31/1/2014
Samba da Madrugada com Michelle Andreazzi – 18/1/2014
Wander Wildner na Obra – 16/1/2014
Chico Amaral Quarteto no Jãngal – 16/1/2014
Renato Saldanha no CCCP Jazz Club – 14/1/2014
Cléber Alves Trio no Café com Letras – 27/10/2013
Festival de Arte Negra – último dia – 27/10/2013
Desorquestra no lançamento do projeto Mercado Autoral – Mercado das Borboletas – 26/10/2013
Festival de Arte Negra – Jogos de Mestres – 26/10/2013
Festival de Arte Negra – DJUN – 22/10/2013
Festival de Arte Negra – Roda de Sopros – 22/10/2013
Frederico Heliodoro lançando o CD “Verano” – 9/10/2013
Dado Prates no Projeto Pizindin – 7/10/2013

No caminho do trabalho para casa há um show

5 de maio de 2013

Havia tempos eu queria fazer uma maratona fotomusical pós-trabalho, ou seja, de segunda a sexta-feira curtir e fotografar um show que começasse cedo, tipo até por volta de 9 da noite. Finalmente fiz isso na semana de 8 a 12 de abril de 2013.

Na segunda-feira escolhi ir a mais uma edição do projeto Pizindin Choro no Palco. A atração da noite era Artur Pádua interpretando o repertório de Orlando Silva. Como de (boa) praxe no projeto, Beatriz Myrrha introduziu homenageado e intérprete. A voz de Artur Pádua teve a companhia da flauta da Marcela Nunes, do pandeiro do Felipe Bastos, do cavaquinho do Daniel Capu, do violão de 7 cordas do Gustavo Monteiro e do violão do mais que querido Mozart Secundino. (Clique para as fotos.)

Terça-feira não foi dia de sala de concerto, mas sim de mesa de bar. Fui conferir a apresentação do Celso Moreira Trio, que na semana anterior tinha iniciado temporada no Café do Carmo. Além do Celso na guitarra o trio tem o Beto Lopes no baixo e o Limão na bateria; em suma, só cobra criada. (Clique para as fotos e um vídeo.)

Quarta-feira foi para conhecer um lugar do tipo que me agrada antes mesmo de pôr os pés – só de ler a respeito já imagino clicar no “Curtir”. A atração naquele dia era a Tânia Azze, que até então eu só tinha fotografado dando canja em show da Gabi Mello. Com ela no palco, Humberto Lima (bateria), Matheus Mozelli (baixo) e Ricardo Laudares (guitarra); além deles, houve também a participação, em três músicas, da cantora Thelma Rosa. Faltou dizer que as noites capitaneadas pela Tânia levam o nome de Pin Up’s Day – e que não estão mais fixas nas quartas-feiras. (Clique para as fotos.)

Na quinta-feira fui ao Balaio de Gato depois de ter ficado anos sem ir lá. (E não sei porque demorei tanto a retornar.) Minha expectativa era de ver um duo de teclado e contrabaixo, mas tive uma surpresa: Mauro Continentino e Catarina Moura estavam acompanhados por um percussionista, Elson Coutinho (Braguinha). Dos cinco dias da maratona, nesse foi que a música começou mais cedo: quando cheguei – por volta de sete e meia – eles já estavam tocando. (Clique para as fotos.)

Para fechar, na sexta-feira fui à Praça Floriano Peixoto para no primeiro BH Série Instrumental do ano rever Carlos Malta e Pife Muderno (da outra vez também tinha sido numa praça, porém era a do Choro Jazz Jericcoacoara). Ao chegar, uma demonstração de low profile total: o Marcos Suzano estava batendo papo no meio da platéia coisa de meia hora antes do início do show. Para dar uma idéia do impacto do sexteto, ao final da primeira música – de 18 minutos – várias pessoas se levantaram das cadeiras para aplaudir. A boa surpresa foi a abertura feita pelo Batuque Salubre. (Clique para as fotos.)

Como em dia de sexta-feira esticar é mole para quem chupa Halls, depois do show na praça andei um trechinho até o Granfinos para conferir – pela primeira vez – a Sala da Toscaria na Base. O álbum da vez era “Selvagem”, dos Paralamas do Sucesso; Lenis Rino e seus camaradas tiveram a companhia de BNegão nessa noite. A banda tocou assim: Lenis Rino (bateria), Thiago Corrêa (baixo e bateria), Marcelo Guerra (guitarra), Anderson Guerra (guitarra), Leonardo Brasilino (trombone) e Juventino Dias (trompete). Foi um fechamento inesperadamente soberbo para a minha maratona: fiquei a me perguntar o motivo de ter demorado tanto para presenciar o projeto. (Clique para as fotos.)

(Para quem leu o post anterior: sim, a preguiça me venceu, não procurei uma alternativa ao Fb.)

Enquanto não escolho um substituto

20 de outubro de 2012

O fim do Multiply como hospedeiro de fotos e otras cositas más – como pode ser visto neste maldito comunicado – me pegou de calças na mão. Para piorar, as primeiras sondagens que fiz para eleger um substituto não definiram um vencedor. Portanto, enquanto isso não acontece, venho usando o Facebook para armazenar os álbuns. À medida que novas publicações sejam feitas, este post será atualizado com os links – as fotos mais recentes aparecem primeiro:

Circuito Senta a Pua! de Gafieira no CentoeQuatro – 22/12/2012

Aline Calixto canta Clara Nunes – 9/12/2012

CCCP Jazz Club com Juarez Moreira – 28/11/2012

Cobra Coral lançando CD na Sala Juvenal Dias – 28/11/2012

Elisa Paraíso + Thiago Nunnes no Café com Música – 21/11/2012

show “Lábia”, de Mariana Nunes – 26/10/2012

Giovanni Mendes Quarteto no Café com Letras – 21/10/2012

segundo dia da Mostra Nova Música Instrumental Mineira – 21/10/2012

primeiro dia da Mostra Nova Música Instrumental Mineira – 20/10/2012

aniversário da Mariana Nunes n’A Casa, em  noite de Delegascia – 10/10/2012

projeto Do Morro Ao Asfalto na Rua Sapucaí – 30/9/2012

projeto Do Morro Ao Asfalto na Barragem Santa Lúcia – 29/9/2012

lançamento do CD do Humberto Junqueira, “Latina Levada” – 20/9/2012

grupo Na Cadência do Samba no Quintal do Divina Luz – 9/7/2012

(Atualização em 15/11/2014: transferi as fotos antigas para o Facebook e apontei os links para lá. Com isso, salvo engano, não há mais link quebrado no blog.)

Vem chegando o verão

14 de janeiro de 2012

Concidência ou não, o Verão Arte Contemporânea começou justamente na semana em que a cidade começou a ficar com cara de verão, ou seja, livre da chuvarada. No dia 13 de janeiro de 2012, sexta-feira, Flávio Renegado fez show no SESC Palladium na abertura do evento, que teve antes a apresentação da Cia. Fusion de Danças Urbanas.

A banda que o acompanha há tempos estava no palco: Aloízio Horta (baixo), Rodrigo Carioca (bateria), DJ Spider, Robson Batata (percussão) e Egler Bruno (guitarra). Além deles, subiram também os convidados Marcos Suzano (percussão) e Donatinho (teclado). No repertório, músicas de seus álbuns “Minha tribo é o mundo” e “Do Oiapoque a Nova York”. Como é comum em shows dançantes que ocorrem em teatros, aos poucos parte do público foi-se deslocando para os lados a fim de ficar em pé e dançar sem obstruir a visão de quem continuava sentado. Mesmo assim, na última música Renegado brincou com  a platéia dizendo que ela estava muito quieta para uma apresentação de rap. Seu pedido foi atendido: todo mundo ficou de pé.

Depois do show e do coquetel servido para brindar o início do VAC 2012, segui para o Circus Rock Bar. Era noite de roqueiras e imaginei que daria para fazer boas fotos. Infelizmente desisti após travar uma conversa mais ou menos assim com um dos caras da portaria:
Porteiro: Você não tem um documento de identidade com foto mais recente?
Eu: Você está de brincadeira, não é?
Porteiro: Não.
A minha surpresa foi ver uma casa de shows criar caso com um documento que nunca tinha sido recusado por companhias aéreas, por exemplo.

Como desisti de entrar no Circus, resolvi ir ao Studio Bar. Depois de 40 minutos na fila, passei do portão. Ao ver que havia mais umas 15 pessoas na minha frente para pagar a entrada, dei meia-volta e rumei para o Cartola Bar. Lá finalmente consegui tomar uma cerveja em paz, ouvindo bons sambas interpretados por Fernando Bento, Robson Batata (de novo!), Gustavo Monteiro e companhia – com direito a canja do Warley Henrique.

As fotos do show do Renegado estão aqui.

Começando com tuum-tum-tum-tum e terminando com tis-tum-tis-tum-tis-tum

26 de novembro de 2011

Há três anos aconteceu na cidade o Festival Choro Livre. Foram quatro sábados em que a cada dia um mercado da cidade era tomado por cerca de 4 horas de música instrumental da melhor qualidade, em sua maioria choro. Desde então eu fiquei com o hábito de entrar na página do evento para saber da edição seguinte.

No sábado do dia 19 de novembro de 2011, o Mercado Distrital do Cruzeiro novamente foi palco do primeiro dia do festival. Este ano o festival acontecerá em apenas 2 dias, sendo o último em 3 de dezembro. Como da outra vez, dois grupos da cidade formaram a base da roda de choro, ora tocando em conjunto, ora em separado. Após abrir os trabalhos tocando “Doce de Coco” (meu choro favorito) e outras pérolas, Piolho de Cobra e Cortando um Dobrado foram recebendo os convidados: Marcos Frederico, Ausier Vinícius, Thiago Balbino, Valter Silva, Joel Nascimento, Osmar e Osmarzinho (os dois últimos em participação não programada). A coisa estava tão boa que o Valter Silva não se contentou com o tempo de participação previsto: voltou no final para se juntar aos chorões anfitriões. Saí de lá levando a “Coletânea Choro Livre – Vol.1”, CD contendo 10 músicas compostas e executadas por artistas que participaram da edição de 2008. O Trilha MTV registrou o evento, estou curioso para ver o programa.

Se a tarde e o início da noite foram da música brasileira, o fim da noite e o início da madrugada foram da música estrangeira. Fui ao Palácio das Artes conferir uma parte do último dia de shows do Festival Eletronika. Foram quatro shows de até então completos desconhecidos para mim: Kisses, Ladytron, Rich Aucoin e The Hood Internet. O Kisses de cara ganhou a simpatia da platéia ao sugerir que todo mundo abandonasse as poltronas do Grande Teatro e dançasse com ele. No final, pediu que fôssemos dançar no palco. Como pode ser visto nas fotos, não nos fizemos de rogados 😉 Pela reação das pessoas, Ladytron fez a apresentação mais esperada da noite: tinha gente pedindo música e cantando junto. Se Ladytron era o grupo mais aguardado, Rich Auchoin fez o show mais inusitado, no Foyer do Grande Teatro. Começou exibindo no telão frases para preparar o espírito do público para o que estava por vir e também frases que reverenciavam os outros grupos que faziam parte da programação naquela noite. Se o Kisses chamou a platéia para o palco, Rich Aucoin se misturou à platéia. Parecia um animador de festa de aniversário, todas as músicas envolviam algum tipo de interação conosco. (E isso é um elogio!) Inesquecível. Para fechar a noite, o duo de Djs The Hood Internet saiu misturando trocentas coisas: quem estava lá se esbaldou de tanto dançar.

As fotos do Choro Livre estão aqui; os vídeos do Choro Livre, ali e acolá; as fotos do Eletronika, .

(Este post foi finalizado ao som de “Eternal” – Branford Marsalis.)

Uma voz e um instrumento

15 de outubro de 2011

Há alguns anos rolou na cidade um evento chamado Reciclo Geral. Foi uma mostra de novos compositores e até hoje me pergunto porque eu não fui a nenhuma das noites de shows no extinto Reciclo, hoje Espaço Bar Cultural. O pesar é maior ainda pelo fato de eu ser feliz proprietário de CDs de vários desses compositores.

Na última segunda-feira, 10 de outubro de 2011, estive no Teatro Espanca! para acompanhar a noite inaugural da Primeira Mostra de Cantautores, que termina amanhã, 16/10/2011. O mote do evento era ter dois compositores por noite cantando e tocando suas criações sozinhos no palco; o máximo esperado era a participação de um no show do outro. Apresentaram-se Rafael Pimenta – que eu desconhecia – e Kristoff Silva, esse último também participante do citado Reciclo Geral. Além de cantar, eles não só contaram casos relacionados às canções como também falaram sobre seus respectivos processos de composição. Em comum os dois mostraram o tradicional – no bom sentido! – gosto mineiro pelas harmonias caprichadas.

O show do Rafael foi particularmente engraçado. Primeiro por ele brincar ao dizer que tinha gente que merecia estar ali mais do que ele. E por admitir que a mostra funcionou como um incentivo para ele terminar canções e para se ver como intérprete delas. E por alegar que o fato de tocar uma canção de outra pessoa não ia totalmente contra o espírito do evento porque o autor da obra era seu pai.

O Kristoff, cujo trabalho eu já admirava desde o excepcional disco “A Outra Cidade”, agradeceu o silêncio que a platéia lhe oferecia para apresentar seu  trabalho, lembrando que o mesmo não tinha acontecido no Reciclo Geral. O silêncio só foi quebrado quando a platéia cantou junto com ele duas canções. E rolou naturalmente, sem necessidade de expressões de ordem como “Agora vocês!”. Só achei uma pena eu não conhecer as músicas, senão teria cantado também!

Para coroar: o local estava lotado.

As fotos estão aqui; os vídeos, ali.

(Enquanto o post era feito, no tocador de CD rolaram “Danaide” – Maísa Moura e Makely Ka – e “Sociedade do Crivo Mútuo” – Transmissor.)